sexta-feira, 6 de março de 2015

"Oh, você tem que aguentar firme
Se apoiar no que está sentindo
Esse sentimento é a melhor coisa do mundo
A melhor coisa, de verdade
Vou apostar minhas fichas em nós
Eu sei que esse amor está indo na mesma direção..."
— Up (Olly Murs ft. Demi Lovato)



— Acabamos de chegar e você já dançou com um stripper, flertou com o barman e está bêbada, não acha que já é o bastante? — explodiu ele.
— Primeiro: eu não dancei com um stripper, ele me agarrou e me fez rodar pelo palco; segundo: eu não flertei com o barman, ele só me avisou que a bebida era forte quando eu a pedi; e terceiro: eu não estou bêbada, apenas um pouco alterada — corrigi-o petulante.
— Não importa, vamos pro hotel — ordenou autoritário, bufei e fiquei de pé, ele segurou minha mão e me guiou até a multidão masculina do reservado de Ben.

Demoramos um pouco para encontrar o Ben, mas enfim o achamos no meio de uma rodinha de amigos e strippers, segurando um copo gigante de cerveja irlandesa.
Harry falou algo no ouvido dele, Ben protestou mas logo não resistiu à insistência do primo e acenou para mim, despedi-me dele e Harry voltou a me guiar por entre a multidão de homens bêbados e, sinceramente, tarados.
Em frente à balada nós gastamos alguns longos minutos enquanto Harry chamava um táxi, o que era difícil às 2 da manhã; por incrível que pareça nós ficamos lá dentro por quatro horas.
Já dentro do táxi e a caminho do hotel, Harry segurou minha mão e beijou a mesma docilmente, encarei-o intrigada e ele riu.

— Desculpe, tive um ataque de ciúmes, acho que exagerei.
— Sim, é, exagerou — concordei, embora estivesse rindo com ele.
— Desculpe-me, você me tira do sério e esses caras que ficam em cima da você também — murmurou ele e fez uma careta de desgosto. — Todo mundo quer roubar minha garota — sussurrou contrariado, me fazendo rir.
— Não seja bobo, Harry, ninguém quer me roubar — falei divertida, ele sorriu.
— É o que você pensa, querida.

Ele ficou em silêncio, deixei-o pensar consigo mesmo e olhei pela janela, vendo outros carros passarem ao nosso lado. Antes que o sono me abatesse nós já havíamos chegado ao hotel.
Harry pagou o motorista e entrelaçou nossos dedos ao sairmos do carro, ele me conduziu para dentro do hotel, aonde só havia um segurança vigiando o saguão e assistindo a uma pequena tevê de doze polegadas.
Passamos direto pelo saguão e entramos no elevador recém-chegado, às portas se fecharam e Harry apertou o botão do 3º andar.
Chegando ao quarto, Harry trancou a porta ao entrarmos e eu segui para o banheiro, tomei um banho gelado e rápido enquanto Harry estava ocupado com algo no quarto, quando saí do banheiro ele trajava apenas a calça jeans com que saíra.
Ele entrou no banheiro para tomar banho e eu vesti uma de suas camisas, prendi o cabelo em um coque apertado e me enfiei embaixo das cobertas, a cama era grande, espaçosa e muito macia.
Tentei ficar acordada até que ele saísse do banheiro, mas minhas pálpebras pesaram tanto a ponto de eu não conseguir mais permanecer de olhos abertos, então deixei-me adormecer rapidamente ouvindo o barulho do chuveiro ligado.

♫♫♫

Pela manhã eu não tive tempo nem de me espreguiçar direito, Harry foi um amor ao me acordar com beijos, mas em seguida começamos a correr pelo quarto para nos aprontarmos para o casamento.
Nós dormimos além da conta e acabamos perdendo a hora, o que significa que temos que correr para nos aprontarmos a tempo de chegar ao local do casamento — um jardim lindo nos fundos de uma casa enorme e perfeita — e presenciar a cerimônia.
Harry dispensou a calça social e vestiu uma calça jeans preta no lugar, o que me fez rir, mas não o questionei, pois o estilo é dele e ele sabe o que veste.
No saguão a maioria dos convidados esperavam os carros que viriam buscá-los, então Harry e eu nos juntamos a eles, Harry passou um braço protetor ao redor da minha cintura e cumprimentou todos os seus familiares e amigos que vieram falar com ele, apresentando-me a todo instante como sua irmã, mas sua apresentação soava forçada na maioria das vezes.
Por fim o carro que nos levaria chegou e nós dividimos o gigante Ranger Rover preto com dois primos de Harry e a namorada de um deles.
Eu acho que Harry tem mais primos que o Zayn, e olha que os do Zayn são muitos.
Quando o carro parou em frente a gigantesca casa com um quintal maior ainda, todos saíram do veículo e Harry esperou-me do lado de fora e me ajudou a sair, ele enlaçou minha cintura com o braço e me guiou pelo gramado verde atrás de seus primos.
O quintal na parte de trás da casa era lindo e estava todo decorado com detalhes brancos, em um lado do quintal havia um lindo altar decorado com um arco de flores brancas e folhas verdes com muitas cadeiras em frente; em outro lado havia mesas enormes e em grande quantidade, todas com a decoração branca e florida.
Harry, seus primos e eu ocupamos algumas cadeiras no lado direito — família e amigos do noivo — em frente ao altar, no lado esquerdo — família e amigos da noiva — já haviam muitos convidados aguardando ansiosos, no nosso lado quase todas as cadeiras já estavam ocupadas, menos três ao lado do Harry.
Uma sonata deliciosa começou a tocar e o noivo, Ben, entrou acompanhado da mãe e do pai, ambos de cada lado dele. Ben usava um lindo fraque cinza escuro com uma gravata borboleta.
Quando Ben se posicionou no altar, com seus pais ao seu lado, as cadeiras ao lado de Harry foram ocupadas por Anne e Robin, mãe e padrasto de Harry, e Gemma, irmã do Harry.
Rapidamente Harry abraçou eles e lhes falou o quanto sentia saudades, depois deles trocarem amenidades eu pude cumprimentá-los com um abraço apertado, Anne estava radiante e linda ao lado de Rob, seu marido, e Gemma estava tão empolgada que suas bochechas chegaram a corar.
Nem voltamos a nos sentar e a música "Lá vem a noiva" começou a tocar, ficamos de pé junto com todos os convidados para receber Tiffany, que estava divinamente bela e feliz, ela tinha um sorriso largo nos lábios.
Tiffany usava um vestido deslumbrante, estilo princesa em renda com mangas longas e uma saia volumosa de cetim, era absurdamente lindo e combinava perfeitamente com ela, fiquei deslumbrada com o quanto ela estava linda e feliz.
Harry me abraçou mais forte a medida que Tiffany era acompanhada pelo irmão mais velho até o altar, onde o irmão lhe deu um beijo demorado na testa e entregou ela a Ben, que apertou a mão dele e segurou a mão de Tiff.
Tiffany entregou o buquê de tulipas brancas para uma das madrinhas e olhou para o mestre de cerimônias à frente do casal.
Voltamos todos a nos sentar e o mestre de cerimônias começou a sua ladainha sem fim e eu comecei a divagar, acho que nem no meu próprio casamento vou conseguir prestar atenção no discurso longo do cara-todo-poderoso que casa as pessoas.
Harry entrelaçou seus dedos nos meus e eu deitei minha cabeça em seu ombro, tendo a educação de continuar olhando para os noivos enquanto minha teimosa imaginação flutuava por outras dimensões.
Acordei de meus pensamentos quando Harry me puxou para ficar de pé e começamos a aplaudir os noivos, que se beijavam no topo do altar, Harry encarou-me divertido e fez uma carinha fofa de repreensão, provavelmente por eu não estar prestando atenção na cerimônia.
Os noivos viraram-se de frente para nós e, eles sorriam tanto que pude sentir a dor nas bochechas por eles, eles deram as mãos e passaram de volta pelo tapete vermelho, seguindo para dentro da casa. 
Alguns organizadores conduziram os convidados para o outro lado do jardim, Harry e eu procuramos nossos nomes por entre as mesas e encontramos as plaquinhas na mesma mesa que acabavam de se sentar Anne, Rob, Gemma, dois primos de Harry e as acompanhantes deles.
Me sentei ao lado de Harry e ele sorriu novamente, então disse:

— Você estava quase dormindo, imagino que não ouviu uma palavra desde que o mestre de cerimônias começou a falar — disse ele acusadoramente.
— Ah querido, você acertou em cheio, eu não tenho paciência para isso — sussurrei divertida, ele riu.
— Mocinha, você é muito impaciente, imagino que no nosso casamento você vai se distrair com uma mosca e nem vai se tocar quando estiver na hora dos votos — falou fingindo severidade, mas sorrindo largamente.
— Vou treinar minha paciência até lá, não se preocupe — garanti rindo.

Harry começou uma conversa com seu padrasto, Rob, e eu me perdi em pensamentos enquanto encarava a plaquinha branca com uma caligrafia impecável cinza escrevendo meu nome.
Tiffany e Ben voltaram 10 minutos depois, ela vestia um vestido curto branco com mangas de renda que nas costas formavam um coração e Ben usava uma calça jeans preta, camisa social e um paletó preto de veludo, igual Harry.
Uma das madrinhas devolveu o buquê de tulipas para Tiff e Ben a puxou para se sentar à mesa maior ao lado dos pais deles e dos dois casais de padrinhos.

— O que há, Mav? — perguntou Harry de repente.
— Nada baby — murmurei confusa.
— Você está quieta demais, estou ficando nervoso com isso — falou ele.
— Eu não sei, só não tenho nada para fazer — murmurei entediada, ele sorriu.
— Tudo bem, espere um minuto — ele ergueu um dedo e virou-se para a mãe. — Mamãe, olhe para mim — chamou impaciente, Anne interrompeu a conversa com Rob para lhe dar atenção.
— Sim, querido.
— Estamos planejando um jantar de família, queremos que você e Rob compareçam, ainda vamos combinar com papai e America, o que acha? — perguntou Harry e eu senti meu corpo inteiro ficar rígido de tensão e medo.
— Ah, é uma boa ideia Harry, mas o que tem em mente para estar marcando esse jantar? — perguntou Anne desconfiada.
— Mavis e eu precisamos fazer um comunicado, queremos todos vocês juntos para isso — explicou Harry olhando fixamente para a mãe.
— Okay, nos diga o dia e estaremos aonde vocês quiserem — adiantou-se Rob, Anne concordou com um aceno de cabeça.
— Pode ser em Liverpool? É que America está com visitantes e não seria legal deixá-los sozinhos para ela vir até aqui — murmurou Harry.
— Claro querido, temos essa semana disponível, é só nos ligar — concordou Anne.
— Ótimo, vou ligar — falou Harry e sorriu para mim, forcei um sorriso desconfortável em resposta e respirei fundo, nem ao menos notando que estava prendendo o fôlego.

A festa seguiu-se animada e tentei ao máximo não ficar quieta, como Harry dissera, até mesmo fui para o meio das mulheres desesperadas para pegar o buquê, mas não tive sorte com isso e uma das madrinhas pegou o buquê.
Nós ficamos até o fim da festa. Quando todos os convidados tinham ido embora, menos a família dos noivos — como os pais e os tios mais próximos —, Anne e Rob também ficaram e então fizemos uma festa particular para os noivos só com os familiares mais próximos.
Harry e eu chegamos no quarto de hotel por volta das onze da noite e ambos caímos exaustos na cama, a festa foi desgastante para ambos e quando batemos no colchão nós adormecemos automaticamente.


♫♫♫


Pela manhã, ou tarde, já que acordamos depois do meio dia, Harry e eu decidimos almoçar com papai, então nos arrumamos e fomos de carro até a casa de Des.
Paramos na soleira da porta e Harry pegou o seu chaveiro com várias chaves, ele usou uma para abrir a porta e entramos na casa dele, andamos pelo longo corredor até a sala, não havia ninguém, Harry gritou por Des e escutamos barulho de pratos, então seguimos até a cozinha, onde encontramos Des com Fenella, nossa suposta madrasta, mas eles dois não assumem nada.

— Crianças, olá — murmurou Des surpreso, ele parou no meio da cozinha com um prato na mão e nos encarou espantado.
— Viemos para o casamento de Ben — explicou Harry.
— Olá papai — murmurei e ele veio me abraçar.
— Querida, como vai? — perguntou ele me apertando.
— Bem, viemos almoçar com o senhor, mas parece que já tem companhia — murmurei e olhei para Fenella. — Olá Fen.
 — Oi docinho — cumprimentou ela, sorrindo timidamente.
— Ah, sentem-se, vamos lá, eu já estava pondo a mesa — disse meu pai, ele seguiu até o armário e pegou mais pratos.
— Também viemos conversar com o senhor — acrescentou Harry, puxando a cadeira para que eu me sentasse, agradeci e ele se sentou ao meu lado.
— Ah é? Então vamos lá, desembuchem — disse ele pondo quatro pratos em seus respectivos lugares na mesa.
— Estamos planejando um jantar em Liverpool, você, Anne, Rob e minha mãe, você iria? — perguntei docemente, ele sorriu.
— Claro que sim, jantar em família, é, parece ótimo — concordou Des e olhou de relance para Fenella, que se concentrava nas panelas.
— Bom, pode levar Fen, se ela quiser ir, claro — acrescentou Harry, erguendo as sobrancelhas em dúvida, concordei com um aceno de cabeça.
— Eu adoraria, queridos — murmurou Fen sorrindo largamente.
— É, então nós dois iremos, só nos digam o dia e a hora — concordou Des.
— Nós vamos voltar hoje, depois que sairmos daqui, provavelmente vamos marcar para amanhã à noite, mas nós ligamos para confirmar — disse Harry.
— Tudo bem, nos mantenham cientes, por favor.
— Claro, papai — murmurei ansiosa, mas não contente com isso.

♫♫♫

Respirei fundo uma última vez e arrumei o cabelo, olhei atrás de mim pelo espelho e vi Harry vestindo o blazer preto.
Ele me olhou e tentou sorrir, mas deu pra sentir a tensão que nos rodeava, o medo de como esse jantar seria e de como acabaria, de como nossa vida ficaria depois desse jantar.
Harry se aproximou lentamente e colocou as mãos em meus ombros, olhando-me fixamente através do espelho.

— Vamos lá querida, temos alguns jaguadartes para encarar antes de seguir pro país das maravilhas — falou ele, tentando me fazer sorrir, mas eu apenas consegui forçar um sorriso, pois o medo do inevitável estava me sufocando.
— Vamos lá — sussurrei e respirei fundo, em seguida virei de frente para Harry e o abracei forte, temendo ser a última vez.
— Vai dar tudo certo, amor, eu prometo — sussurrou ele, abraçando-me com a mesma intensidade e medo. — Eu já lhe disse, se for preciso nós fugimos, ninguém vai nos separar — garantiu ele.
— Estou com medo — sussurrei apavorada, ele segurou minha cabeça com ambas as mãos e inclinou para trás, me fazendo olhá-lo nos olhos.
— Não, não fique, eu estou aqui com você e vai dar tudo certo, baby — sussurrou ele em um tom apaziguador, então ele sorriu levemente e me beijou. — Estamos juntos, e nós podemos fazer qualquer coisa. Eu amo você — sussurrou e me beijou novamente.
— Eu amo você também, Curly — sussurrei mais calma, ele sorriu.
— Vamos lá.

Harry segurou firme em minha mão e nós saímos do quarto, descemos as escadas e encontramos mamãe na sala, ela estava deslumbrante usando um vestido colado de cetim com detalhes pretos e prateados, seu cabelo estava solto e volumoso e ela usava maquiagem, algo muito raro de se ver.

— Vamos queridos, ou nos atrasaremos — ela disse pegando sua bolsa de mão pequena.
— Vamos Mare, já estamos prontos — concordou Harry.

Nós saímos de casa e deixamos a porta aberta, para o caso de Mellie e Chase chegarem antes de nós — os rapazes os levaram para sair e ir ao cinema.
Entramos no carro de Harry e ele foi quieto durante todo o trajeto, mamãe estava despreocupada e radiante, estava linda e toda produzida, ela é realmente linda sem maquiagem, mas toda produzida é mais ainda.
Harry estacionou o carro em uma vaga vazia bem em frente ao restaurante reservado e encantador no centro da cidade, todos saímos do veículo e Harry estendeu a mão para mim, a segurei firmemente e ele me guiou até o restaurante, com mamãe nos seguindo pacientemente.
Quando chegamos à recepção Harry se identificou e um garçom muito solicito nos levou até um reservado de tamanho mediano no segundo andar, o reservado tinha todas as paredes brancas e uma grande janela de vidros transparentes com visão para a rua, no meio do cômodo havia uma mesa com sete lugares postos e Anne e Rob já se encontravam lá. Eles se levantaram para nos cumprimentar e logo todos nos acomodamos, Anne e minha mãe conversavam como velhas amigas, que é o que elas são.
Cinco minutos depois de chegarmos o garçom voltou trazendo Des e Fenella, agradecemos ao garçom e Des e Fen cumprimentaram a todos antes de sentarem-se.

— Então, vamos direto ao ponto, o que nos trouxe até aqui? — perguntou Des, impaciente como sempre.
— Por que não jantamos primeiro? Depois as crianças nos contam o motivo desse jantar em família — opinou mamãe, exasperada com a falta de bom senso de Des.
— Tudo bem, vocês que mandam — resmungou Des pegando seu cardápio.

Fenella revirou os olhos me fazendo rir, então ela sorriu e me mandou uma piscadela conspiratória.
Quando o garçom retornou nós fizemos os pedidos, mas não consegui pedir nada além de uma água tônica para aliviar o embrulho apertado que era meu estômago no momento, mamãe tentou persuadir-me a comer algo, mas não adiantou.
Depois de muita insistência de todos os adultos no recinto, inclusive Harry, eu acabei pedindo uma salada de frutas, isso os acalmou e eles me deram uma trégua.
Esperei pacientemente até que todos terminassem de jantar, pedindo água tônica a cada vez que o garçom retornava, o que foi umas quatro vezes, em uma delas pedi discretamente para ele batizar minha água com uísque, ele sorriu maliciosamente e concordou.
Quando o último prato vazio foi retirado todos esperaram um segundo antes de olharem curiosos para Harry e eu, foi quando a salada de frutas subiu à minha garganta querendo sair em forma de vômito, dei um gole em minha água tônica batizada e respirei fundo, Harry apertou mais forte minha mão por baixo da mesa.

— Desembuchem — falou Des rudemente, já pressentindo que a coisa não era boa.
— Primeiro nós... Ãh... Vamos chegar um pouco pra trás — falou Harry arrastando sua cadeira para trás, segui seu exemplo e afastei-me de Des também, que semicerrou os olhos intrigado e já furioso.
— Qual o problema? — perguntou Anne curiosa, houve um silencio mortal antes de Harry pigarrear.
— Bom, nós precisamos falar com vocês e... Acho que vocês vão enlouquecer, mas não me importo, só queremos que saibam de uma vez — tagarelou Harry, ele está nervoso.
— Então fale logo, amor — aconselhou mamãe, nos olhando em expectativa.
— Mavis e eu estamos juntos — falou Harry rapidamente, todos, inclusive padrasto e madrasta, arregalaram os olhos de surpresa.
— Sim, vocês estão juntos bem aí, qual o problema? — murmurou Rob tentando entender a frase e se manter são.


Hey girls,
como estão?
Espero que bem =)
Hj não tenho mto o que falar, apenas obrigada pelos coments.
Comentem mais pra mim, pleaseee =3
Amo vcs divas <3


2 comentários:

  1. Ta mt divo ��
    Continua logo que eu to ansiona!!!

    ResponderExcluir
  2. Aaaaaaaaaaaaaaa jesus apaga a luz continuaaaaaaaaa *o*

    ResponderExcluir

Sou como uma escritora, lanço o livro para ser comprado;
Vocês são os compradores e os comentários o pagamento u.u
Faço isso de coração e amo, mas preciso do seu comentário <3

Qual a música? "No one in the world could stop me from not moving on, baby. Even if I want to..."

Por: Milinha Malik. Tecnologia do Blogger.

Cupcakes Visitantes ♫♫

♥Books♥

Translate

Talk to me!!

Twitter

♥Cupcakes♥


widget

Instagram

Instagram

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto

Hello pessoas,
Sei que muitos não lerão isso, não se importaram com isso, não vão querer ao menos ver isso.
Mas não tem problema, isso aqui é pra quem quer ler.
Sou apaixonada por livros, amo escrever e, acima de tudo, amo One Direction, pois foi graças a eles que eu descobri o meu amor pela escrita.
Não espero que gostem das minhas histórias, mas aos que gostam: Obrigada.
Quem quiser entrar em contato é só seguir no Twitter: @miamelo1d

Agenda!