domingo, 17 de maio de 2015

"Um passo em sua direção e eu já estou afundando nos seus olhos
Somente para ver a verdade escondida atrás dos seus olhos diabólicos
Nenhum luz poderia me conduzir para o seu caminho
É só eu ou estou sozinho? É tudo um mistério..."
— Wanted Is Love (Phillip Phillips)



— Eu não vou voltar pra casa, eu fiquei muito magoada com você, você sabe que eu não gosto de ser expulsa de nenhum lugar, muito menos da minha própria casa! — falei um pouco menos irritada, ele assentiu.
— Eu sei, eu sei, me desculpe, Ava — disse Liam.
— E, mesmo assim, você me jogou na rua, me deixou sem nada e ninguém — gritei empurrando seu peito, batendo nele, que continuou parado, recebendo a minha ira. E lágrimas brotaram nos meus olhos, porque a raiva e a mágoa do dia anterior me voltaram à mente.



— Me desculpa, fiz sem pensar, fiquei com medo de te perder de vez — sussurrou ele, de repente ele segurou meus pulsos e me puxou para seu peito e eu permiti que ele me abraçasse, porque eu estava chorando e estava envergonhada por fazer isso em público, então eu escondi meu rosto em seu peitoral.

Deixei que Liam me abraçasse por dois minutos, então sequei meu rosto sutilmente e me afastei, dei um beijo na bochecha de Niall e voltei para o lado de Peter, ele continuava em alerta, todo tenso e de punhos cerrados, as garotas estavam ao lado dele, igualmente atentas.

— O que vai fazer, Ava? — perguntou Liam.
— Eu vou pra minha casa, vamos Pete? — olhei para Peter e ele assentiu.
— Não é a sua casa, é a casa dele, por que você não volta comigo? — insistiu Liam.
— Porque a minha casa agora é aonde o Peter está — falei severa, só então percebi o duplo sentido da frase.
— Eu acho que isso não dura uma semana — desdenhou Harry, Peter enviou-lhe um olhar mortal, ele rapidamente se calou.
— Vamos, Pete — falei segurando em seu braço e o puxando em direção à trilha de volta.
— Depois eu passo para deixar as entradas, Ava — gritou Niall quando as garotas, Peter e eu nos afastávamos.
— Tudo bem, Nialler, estarei esperando — gritei em resposta e acenei para ele. – Irá me encontrar antes das nove da manhã e depois das cinco da tarde!

Peter segurou minha mão e me guiou pela trilha até acharmos a calçada de novo, mas olhou para trás diversas vezes, acho que para garantir que os rapazes não nos seguiam. Lenna e Gemma iam na frente, conversando como se nada tivesse acontecido.

— Eu não gostei daquele tal Harry — falou Peter quando fizemos o caminho de volta para o nosso apartamento, Gemma fez uma careta de desgosto.
— Ele é muito fiel aos amigos, então é óbvio que estava ao lado do Liam, às vezes ele é um babaca, mas é um cara legal — Gem o defendeu.
— Sim, ele é. Mas é muito esquentadinho, eu garanto que vão se dar bem... Algum dia — murmurei dando de ombros, Lenna riu.
— Eu não entendi muito bem a conversa, mas afinal, vocês estão ou não juntos? — perguntou Lenna.
— Não — respondemos Peter e eu juntos. — Eu já cansei de falar, somos apenas amigos, ele me ajudou quando eu precisei e... — continuei, mas Peter me interrompeu.
— Ela também me ajudou quando eu precisei, graças a isso estamos amarrados — falou Peter, Gemma riu.
— Vocês formam um casal bonito — murmurou Lenna, mordendo o lábio de tanta emoção, eu revirei meus olhos e Gemma riu, já Peter ficou todo vermelho.
— Mas eu acho que um certo loirinho não tem a mesma opinião a respeito — sussurrou Gemma, encarei-a confusa e ela balançou a mão, indicando que eu esquecesse.

As garotas tagarelaram um pouco mais enquanto Peter me guiava pela mão até um restaurante próximo à nossa casa. As garotas nos seguiam bem de pertinho, em parte para podermos ouvi-las falar e em parte para não correrem o risco de se perder de nós no meio dos pedestres a nossa volta.

— Nós vamos almoçar? — perguntei quando paramos em frente as portas de vidro do restaurante.
— É claro, já passa de meio dia — resmungou Gemma, já abrindo as portas e entrando.
— Eu não fazia ideia — murmurei e sorri quando Peter segurou a porta aberta para mim. — Obrigada, Pete.

Escolhemos uma mesa vaga no canto do salão, um garçom logo veio nos receber e entregar os cardápios, levamos cinco minutos para escolher nossos pedidos.
Quando o garçom se retirou novamente Gemma encarou fixamente Peter e esboçou um sorrisinho maquiavélico, Lenna riu e Peter ficou vermelho de vergonha.

— O que foi, Gem? — perguntei divertida.
— Não, nada. É só que... Meu Deus, ele é muito bonito — sussurrou Gem, encarando Peter sonhadoramente, Lenna gargalhou alto e algumas pessoas nos encararam raivosas.
— Não, eu não... Bem, talvez um pouquinho — Peter sorriu constrangido e olhou para baixo.
— Muito bem parem de constranger o Pete, por favor. Vamos falar sobre o show de sábado? — mudei de assunto ao perceber que ele estava realmente sem graça.
— Falei com o Harry e consegui convencê-lo a nos deixar ir na sexta, para dar tempo de conhecermos a cidade antes do show — falou Gem, Lenna balançou a cabeça, aprovando a ideia.
— Então nós vamos amanhã? E voltamos quando? — perguntou Peter, olhando de mim para Gemma e de Gemma para Lenna.
— No domingo, não se preocupe, na segunda estaremos bem descansados para trabalhar — murmurei e lhe dei um beijo na bochecha, ele abriu um sorrisinho fofo.
— Ai, estou vomitando arco-íris com vocês dois — murmurou Len, a voz apenas um gemido de alegria.
— Ah, cala a boca, Lenna — resmunguei impaciente, ela riu.


♫♫♫

O aeroporto estava lotado na sexta de manhã, Peter me guiava por entre a multidão e apertava minha mão com força, acho que com medo de me perder. As garotas marcaram de nos encontrar na sala de embarque, junto com os pais de Niall — Bob e Maura Horan —, o irmão e a família dele — Greg, Denise e Theo.
Todos que vão trabalhar no show, ou ajudar os rapazes, já estão na Austrália, então só restou os parentes e amigos para embarcar na primeira classe do próximo avião das 10 da manhã para a Austrália, eu já até me acostumei com a correria que é ir atrás dos rapazes durante as turnês, mas Peter estava apreensivo e preocupado.
Eu já o havia alertado que seria um voo cansativo, 22 horas de viajem não é uma coisa que deixe qualquer um pulando de alegria, então nós nos preparamos psicologicamente antes de sair de casa, dormimos bastante e separamos algumas coisas para levar durante a viagem.
Sairemos de Londres às 10 da manhã e chegaremos em Sydney às 8 da manhã de sábado — fuso-horário de Londres — o que significa que na Austrália vai ser 7 da noite, nós teremos apenas uma hora para nos arrumar e partir para o Allianz Estádio.
No fim das contas nós nem iremos conhecer a cidade antes do show, como as meninas tanto desejavam, no domingo de manhã é que iremos passear por Sydney, talvez até na companhia dos garotos, se tivermos sorte.
Como Peter e eu levávamos uma mochila nas costas cada um, não tivemos que demorar na fila do chek-in, então logo já estávamos sentados na sala de embarque da primeira classe, ninguém que conhecêssemos havia chegado, então nos sentamos lado a lado em um imenso sofá estofado macio e relaxamos enquanto algumas moças nos enchiam de champanhe, eu sempre adorei a primeira classe por causa do excesso de mimo, mas sempre odiei que isso fosse as custas dos garotos.
Greg e sua esposa foram os primeiros a chegar na sala de embarque faltando 40 minutos para o nosso voo, Theo estava elétrico e muito brincalhão e eu logo o tomei em meus braços e começamos a brincar com Peter, que, para minha surpresa, adorava crianças. Maura e Bob chegaram apressadíssimos, com medo de perder o voo, sendo que ainda faltava 15 minutos para nos chamarem, depois de cumprimentar todos, eles sentaram-se e respiraram aliviados, mas eu já estava apreensiva, com medo das garotas perderem a hora.
Mas, para o meu alívio, elas chegaram segundos antes da aeromoça nos chamar para entrar no avião, essa é uma das vantagens da primeira classe, somos os primeiros a entrar no avião e os primeiros a sair.
As  poltronas não eram separadas em grupo de três, como na classe econômica, mas sim de duas em duas e com divisórias entre elas, eram poltronas que viravam mini camas super confortáveis; também haviam monitores pequenos em frente às poltronas e bandejas para as refeições.
O avião possuía uma primeira classe com 14 lugares, então mais cinco pessoas desconhecidas nos acompanharam para o luxuoso espaço — até o Theo ganhou uma poltrona só para ele.
Peter e eu nos acomodamos em nossas cadeiras, que ficavam atrás das de Lenna e Gemma, e na frente das de Greg e Theo, Denise sentara-se atrás deles junto com uma moça loira muito bonita, Maura e Bob estavam acomodados em frente às meninas.
Quando todas as 14 pessoas se sentaram, duas aeromoças começaram a circular pela cabine entregando a todos um pacote grande, dentro havia um cobertor macio de 400 fios de algodão egípcio — o que me surpreendeu —, travesseiro de penas de ganso e fones de ouvido para conectar à televisão pequenina, sem citar as outras bugigangas caras que acompanhavam o kit. 
Peter esticou-se e colocou o cinto de segurança, então sorriu para mim, ele já parecia mais relaxado. Também prendi meu cinto de segurança e tentei prestar atenção na aeromoça, que fazia demonstrações de ações em caso de urgência. Em um dos lados da cabine havia um mini bar muito bonito e chique, fiquei tentada a ir pedir um whiske, mas me contive, pois já havia bebido muito champanhe na sala de espera, e ainda não passava das 10 e meia da manhã.
O capitão fez o anuncio pelos auto-falantes que estávamos decolando com destino à Sydney, Austrália, e meu estômago flutuou quando o avião se lançou nos ares, a janela ao meu lado estava aberta e Peter e eu ficamos vendo a cidade sumir ao longe.
Quando tomamos altitude suficiente as eficientes aeromoças começaram a trabalhar no café da manhã, na verdade era apenas o lanche da manhã, mas pela quantidade de coisa parecia mesmo um típico desjejum britânico. Para Peter e eu, a bela aeromoça ofereceu de tudo, desde pães, café, leite, iogurtes e smothies, à frutas, cereais, sucos de frutas e chá. Mas nós aceitamos apenas o chá preto e uma fruta cada, pois havíamos tomado café da manhã em casa.

— Sabe, primeira classe é o máximo, estou impressionado — murmurou Peter quando a aeromoça foi embora.
— Sim, é. Na maioria das vezes eu prefiro viajar na econômica, mas quando são os rapazes que compram as passagens eu acabo ficando na primeira classe — falei enquanto bebericava meu chá.
— Jura? Prefere viajar em uma lata de sardinha? — Ironizou ele divertido, eu ri e balancei a cabeça.
— Não, prefiro a primeira classe, claro. Mas não gosto de abusar deles, sabe... É complicado — expliquei.
— Eu sei, entendi — falou ele compreensivo e eu deitei minha cabeça em seu ombro.

Nós decidimos assistir a um filme e optamos por Vestida Para Casar, uma comédia romântica com Katherine Heigl e James Marsden.
Quando o filme chegou ao fim as aeromoças estavam distribuindo cardápios para os passageiros, o que significa que já estava na hora do almoço.
Depois de fazerem os pedidos, Lenna e Gemma se ajoelharam nas próprias poltronas e nos encararam divertidas.

— Eu aconselho a costeleta de cordeiro ao molho de hortelã — disse Len.
— Acho que vou ficar com o cordeiro, então — disse Peter, lendo de novo o cardápio.
— O molho de hortelã me chamou a atenção — murmurei pensativa.
— Eles vão querer as costeletas — disse Gemma à aeromoça. — Regada a vinho, por favor — acrescentou e a aeromoça assentiu sorridente.
— O vinho dá um gostinho mais saboroso — Len murmurou.
— Bebidas? — perguntou a aeromoça.
— Duas taças de vinho? — Peter perguntou arqueando uma sobrancelha para mim, eu assenti.
— Então, Maura está jurando de pé junto que Peter é o seu novo namorado — disse Gemma casualmente quando a aeromoça foi embora.
— E está bem decepcionada por Niall ter ficado para escanteio — acrescentou Lenna, toda sorridente.
— Meu Deus, não viajem. Niall nunca ficará para escanteio! — murmurei impaciente.
— Não é no quesito 'amizade' que estamos falando — cantarolou Gemma, me provocando ao máximo ao fazer aspas com os dedos.
— Tem certeza que você e esse Niall não têm nada? — perguntou Peter, encarando-me atento. — Porque eu vi a forma como ele te olhou lá no parque ontem.
— Todo mundo vê a forma como ele olha para ela! — Lenna quase gritou. — Ela é a única cega.
— Não sou cega, apenas sei que entre Niall e eu só rola amizade, parem de ficar procurando chifre na cabeça de piolho — resmunguei brincando com meu cardigan, sem conseguir encarar nenhum deles.
— Lá vem ela com esses provérbios estranhos — reclamou Gemma, Lenna gargalhou alto e um dos passageiros idosos nos enviou um olhar carrancudo.
— Piolho tem chifre? — Peter perguntou confuso.
— Não, e é exatamente por isso. Parem de procurar coisa onde não tem — falei exasperada, todos assentiram de forma pensativa, como se finalmente tivessem entendido o sentido da minha frase.
— Eu só acho que você deveria dar uma chance a ele, ou pelo menos abrir um pouquinho os seus olhos, uma hora ele vai cansar de te olhar de forma tão apaixonada... — aconselhou Lenna, com um ar sábio. — E vai encontrar outra que retribua esse olhar.
— Cala a boca, Lenna. Você não é filosofa e nem é cientista que estuda a vida humana, cala a boca — resmunguei irritada, ela mordeu o lábio para não rir.
— É só a minha humilde opinião — murmurou ela e, para o meu alívio, as aeromoças trouxeram o almoço das meninas e elas voltaram a sentar-se.
— Então, não quer mais falar sobre isso? — Peter perguntou cauteloso.
— Não, por favor.
— Mas eu gostaria de ouvir sobre você e esse cara — murmurou Peter com uma vozinha doce e muito fofa, olhei para ele e acabei não resistindo, ele estava fazendo um biquinho super fofo.
— Tudo bem, mas é uma longa história — murmurei, ele assentiu.

A aeromoça nos serviu antes que eu pudesse começar a contar a história, então eu dei um longo gole em minha taça de vinho e remexi no meu cordeiro enquanto começava a falar.

— Liam, o meu irmão, entrou pela segunda vez para o X-Factor 4 anos atrás, depois de ser recusado como cantor solo ele foi escalado para formar uma boyband com mais 4 caras: Zayn, Niall, Harry e Louis. Conheci a Gemma através dos rapazes, ela é irmã do Harry — contei, ele sorriu e assentiu. 
— Ah, legal! Mas e o Niall? Conta como se conheceram — pediu Peter.
— Essa é uma história muito boa — gritou Gemma, da poltrona da frente, eu ri e continuei a história.
— Conheci Niall no camarim dos rapazes, todos ficavam amontoados em uma sala enorme e, quando fui procurar Liam, eu o encontrei por acaso. Ele era o único rapaz do meio de outros 25 que estava cantando ao invés de se arrumando, ele cantava com tanta paixão que suas bochechas ficavam rosadas, quase vermelhas — murmurei lembrando-me da cena e sentindo um sentimento bom me invadir, ouvi Lenna suspirar lá na frente.
— Depois diz que não está apaixonada por ele — sussurrou Len para Gemma, revirei meus olhos e ignorei o comentário.
— E ele dedilhava o violão como ninguém, os rapazes dançavam enquanto ele cantava e pareciam não se importar por ter alguma coisa para distraí-los do nervosismo, eu também não me importei, nem um pouco, tanto que fiquei parada no meio da sala olhando e ouvindo-o cantar, era uma música linda do Michael Bublé, chama-se Everything — murmurei lembrando dos acordes e da doce voz dele em minha mente.
— E até hoje ele canta essa música para ela — acrescentou Gemma.
— É tão fofo — murmurou Lenna.
— Continue — instigou Peter.
— E eu fiquei lá, feito uma boba, olhando para o rapaz que cantava a plenos pulmões, até que Liam me encontrou e parou na minha frente, tampando minha visão do rapaz. Eu fiquei furiosa, tentei tirá-lo da frente, mas ele me agarrou e começou a me provocar, acho que ele pensava que eu estava brincando. — Suspirei exasperada e Peter riu. — Ele logo percebeu que eu não estava prestando a mínima atenção nele e sim olhando em volta freneticamente, a procura do cantor, então ele decidiu me apresentar aos colegas de banda. E foi como eu conheci os quatro, incluindo Niall, acho que fiquei encarando ele por uns cinco minutos, até me dar conta que Liam estava me chamando a atenção.
— Você tem que ouvir a versão do Niall, é mais fofa ainda — disse Gemma.
— É, ele diz que viu Ava entrar na sala e ficou encantado, ele diz que começou a cantar Everything para ela, você precisa ver o quanto os olhos dele brilham quando ele relata essa história — falou Lenna.
— Encham a boca de comida, suas cachorras — resmunguei impaciente, elas riram, até mesmo Peter riu.
— E foi isso, depois desse dia nós nunca mais nos separamos, somos grandes amigos — murmurei para finalizar a história, Peter arqueou uma sobrancelha, duvidando.
— Só grandes amigos? Pelo que me contou eu percebi que você é apaixonada por ele, e ele por você — falou Peter, eu bebi um longo gole de vinho e esvaziei minha taça.






4 comentários:

  1. :o :o :o , to apaixonadaaaa
    Continuaa

    ResponderExcluir
  2. Ooii sou leitora nova aki só vim dizer q sua fic é per - fect vc tem um dom,, um dom hein!!!

    Qual é o seu favorito da 1D??...

    ResponderExcluir

Sou como uma escritora, lanço o livro para ser comprado;
Vocês são os compradores e os comentários o pagamento u.u
Faço isso de coração e amo, mas preciso do seu comentário <3

Qual a música? "No one in the world could stop me from not moving on, baby. Even if I want to..."

Por: Milinha Malik. Tecnologia do Blogger.

Cupcakes Visitantes ♫♫

♥Books♥

Translate

Talk to me!!

Twitter

♥Cupcakes♥


widget

Instagram

Instagram

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto

Hello pessoas,
Sei que muitos não lerão isso, não se importaram com isso, não vão querer ao menos ver isso.
Mas não tem problema, isso aqui é pra quem quer ler.
Sou apaixonada por livros, amo escrever e, acima de tudo, amo One Direction, pois foi graças a eles que eu descobri o meu amor pela escrita.
Não espero que gostem das minhas histórias, mas aos que gostam: Obrigada.
Quem quiser entrar em contato é só seguir no Twitter: @miamelo1d

Agenda!