sábado, 25 de fevereiro de 2017

"E eu vou admitir que eu sinto sua falta
Mas só se você fizer
Porque você sabe que eu sou tímida
E eu não posso mentir, é difícil vê-lo com ela
Porque eu sei que ela não pode te amar como eu posso..."
– Someday (Meghan Trainor ft. Michael Bublé)







Não acredito que voarei durante 11 horas, uma distância aproximadamente de 9000 km com ele! Zayn me paga. Definitivamente o matarei quando o ver novamente.
Liam sorriu desconcertado ao me notar. Pelo visto ele também não sabia da companhia que teria durante o voo.

– Scar! – ele disse surpreso, em seguida franziu a testa e corrigiu-se – Tess! Desculpe, fui pego de surpresa, não sabia que iria para LA conosco.

Fiquei subitamente aterrorizada, pensando que por “conosco” ele queria dizer ele e a noiva, mas então notei que se referia a si mesmo e a equipe de aviação. Não contive um suspiro aliviado. Se um voo de 11 horas parecia inimaginável ao lado de Liam, com Cheryl então seria absolutamente insuportável e eu já me via quebrando uma das janelas para me jogar dela em pleno céu aberto.

– Digamos que fomos ambos surpreendidos, mas é bom vê-lo, Liam – murmurei timidamente, ele sorriu sem esforço pela primeira vez desde que o reencontrei na noite de sua festa.
– Ah, deixe-me ajudá-la – ele prontificou-se e tomou minha mala de mão e a colocou no bagageiro ao lado da dele. 
– Quer ficar na janela? – ele perguntou solícito, como se não houvesse mais seis pares de poltronas gigantes ali.


Pela primeira vez dei uma olhada ao redor e meu queixo caiu, já havia andado no antigo jatinho dos rapazes, mas esse é novo e definitivamente mais luxuoso que o outro. O interior tinha como cor principal o branco e azul, havia quatro poltronas individuais no início e no final do jato, e quatro em volta de uma mesa de madeira, e também um imenso sofá fabuloso na lateral. Sem falar no quarto que deveria ter em frente a porta do banheiro, vou deixar para vê-lo mais tarde.

– Ah, desculpe. Pode ser, tanto faz – murmurei desconcertada por deixá-lo esperando uma resposta.

– A aeromoça disse que servirá o almoço assim que decolarmos, então é melhor ficar logo aqui – ele disse quando eu me acomodei na poltrona ao lado da janela, de frente para uma tv de plasma.

– Sim, é melhor – concordei.



Assim que nos acomodamos o piloto avisou pelos alto-falantes que começariam o processo de decolagem. A porta foi fechada, Liam e eu apertamos os cintos e uma música de fundo foi colocada para nos relaxar. Quando o piloto nos liberou para andar pela aeronave e a aeromoça já tinha repassado as ações em caso de emergência, Liam levantou-se e tirou um Macbook da mochila.


– Se importa se eu trabalhar um pouco? Era o que eu planejava fazer durante o voo – falou Liam, o encarei sem reação, seria bom se pudéssemos conversar, sabe, colocar o papo em dia, já faz 2 anos.

– Ah, não, tudo bem – foi tudo o que eu disse e virei para olhar a janela, vendo as nuvens e o céu claro e limpo.


Liam ficou alguns longos minutos digitando fervorosamente em seu notebook, só o deixou de lado quando a aeromoça veio nos servir o almoço, eu já estava morrendo de fome e de tédio.
Não faço ideia de como eles conseguem, mas a comissária de bordo nos trouxe de entrada uma salada fresca, de prato principal uma de carne cordeiro maravilhosa com molho de hortelã e batatas, e de sobremesa uma pannacota de frutas vermelhas deliciosa. A comida estava simplesmente fabulosa e fazia tempo que eu não comia algo tão gostoso e refinado, Liam também parecia satisfeito. E o vinho que nos serviam constantemente durante o almoço também era muito saboroso, mas depois que terminamos de comer o vinho foi substituído por champanhe, pra mim, e whisky para Liam. Foi encorajada por todo o álcool que consegui falar com Liam mais do que três palavras.

– Então, Liam. Faz tempo que não nos falamos, não é? – falo como quem não quer nada, ele vira a poltrona em minha direção e eu viro a minha em direção a dele, ficamos frente a frente e ele parece mais apetitoso que o cordeiro que acabamos de comer.
– Não era assim que eu queria te reencontrar, não na minha festa de noivado e nem aqui, sem que ambos estivéssemos preparados – disse Liam –, mas para começo de conversa, vamos falar sobre o porquê de você ter me deixado há dois anos.

Eu sabia! Sabia que ele pediria uma explicação assim que possível. Pobrezinho, mal sabe que nem eu mesma tenho um motivo pra tal burrice.

– Eu não sei – suspirei tristemente, eu tinha toda a atenção dele e o encarei fundo nos olhos, para lhe passar toda a minha sinceridade. – Acho que eu tive medo.
– E achou que assim que virasse as costas eu ia atrás de você até que mudasse de ideia e voltasse pra mim? – ele perguntou secamente.
– Sim, pra ser sincera, pensei que isso fosse acontecer – murmurei envergonhada, ele sorriu.
– Mas eu não fui...
– É, você não foi – concordei. – E hoje estamos nessa merda aqui – gesticulei com as mãos e ele riu.
– Você fala como se fosse culpa minha – ele disse ficando sério.
– Não, a culpa é toda minha, eu fui a idiota. Tenho todo o crédito por isso – garanti, ele assentiu pensativo.
– Sim, você foi mesmo uma idiota. Não sabe o quanto eu fiquei mal com aquela merda toda, quase dei um tiro no meu próprio pé só para me impedir de ir atrás de você – ele falou baixinho, me encarando direta e intensamente.
– Me desculpe, Liam. Eu sinto tanto. Fiz nós dois sofrer por motivo algum, fui tão estupida! Eu só estava com medo, apavorada demais, você queria casar e ter filhos, queria se comprometer de verdade e eu simplesmente não estava pronta – falei desesperadamente, ele segurou minhas mãos e eu suspirei ao sentir o seu toque, entrelacei os nossos dedos e observei o quanto nossas mãos ficam bem juntas, se encaixam perfeitamente.
– Você entendeu todos os meus planos para o futuro, só que não entendeu que eu só queria aquilo tudo quando você estivesse pronta, quando quisesse realmente construir o seu futuro ao meu lado. Eu nunca quis forçar você a nada, Tess, eu sempre soube que seria difícil conquistar você a ponto de colocar uma aliança em seu dedo. Só que você desistiu de mim tão fácil, desistiu da gente como se fôssemos nada e isso me destruiu completamente, eu fiquei preso numa porra de um buraco durante muito tempo até resolver voltar a ver a luz. E, mesmo depois de sentir o calor em meu rosto novamente, você não saia da minha cabeça, continuava rasgando o meu peito, cavando fundo em meu coração, arranhando cada pensamento que me vinha na cabeça. Em um segundo eu estava conversando com uma pessoa, no outro os meus olhos estavam enchendo-se de lágrimas porque a pessoa havia feito algo que me lembrava de você, nesse ponto eu não estava mais na merda, eu tinha virado a merda, eu estava um caos completo e você simplesmente não ligou. Você sumiu e fingiu que nunca havia me conhecido. Pouco depois fiquei sabendo que você se mudou pra casa do Cam, nossa – ele parou, respirou fundo e olhou em volta, piscando rápido para conter algumas lágrimas que surgiram em seus olhos, a esse ponto eu já nem ligava, deixei que as lágrimas escorressem sem freios pelo o meu rosto. – Meu Deus, Tess, aquilo foi um soco no estômago. Um soco do maldito incrível Hulk, mais forte do que uma britadeira ou uma bola de demolição, saber daquilo destruiu a pouca sanidade e estabilidade emocional que me restava.
– Liam – choraminguei, sentindo-me sem ar. Eu não sabia que ele tinha se sentindo assim, eu fiquei do mesmo jeito, foi por isso que fui morar com Cam, para ver se tirava Liam da cabeça.
– Não, eu... Depois de saber sobre você e o Cam, eu voltei pra porra do buraco, só que dessa vez era pior. Eu só queria me esconder e sofrer em paz, mas precisa cantar, precisava me apresentar com os rapazes em centenas de shows, precisava me socializar com toda aquela gente. Foi uma tortura. Eu já comprava caixas de bebidas três vezes por semana, estava acabando com o meu fígado, pra que ele servia se não para isso, afinal? Eu não me importava mais comigo, era só você em meus pensamentos: você na casa do Cam, você com o Cam, você na cama do Cam. Porra! Eu estava morrendo lentamente de dentro para fora e essa morte iminente começava a se refletir em meu corpo, eu emagreci muito, fumei mais de 2000 caixas de cigarro e bebi mais de 4000 garrafas de whisky, eu só comia quando alguém aparecia na minha casa e me forçava a tomar um banho e enfiar alguma coisa na boca que não fosse álcool ou nicotina. Hoje eu agradeço por você não ter me visto naquele estado, eu fiquei realmente péssimo, se houvesse uma palavra para o quão ruim eu fiquei, com certeza haveria uma foto minha ao lado da palavra no dicionário. Eu amava você, Tess, porra, depois de dois anos juntos eu amava você mais do que amava a mim mesmo, isso é ridículo, mas é a verdade, porque depois de dois anos eu não amava só as suas qualidades ou a sua beleza, eu amava as suas manias, os seus defeitos, eu amava a sua cara amassada de quando acordava e amava até mesmo os seus dias de TPM. Porque eu estava ao seu lado, não importava que você gritasse comigo a maior parte do tempo e tentasse me acertar com qualquer coisa que estivesse à mão, eu simplesmente estava com você e isso já me alegrava, me dava uma paz indescritível.
– Eu também amava você, Liam, ainda amo... – minha voz saiu tão lamuriosa, tão chorosa que eu chorei mais ainda ao ouvi-la, Liam ergueu uma mão e secou o máximo que pode do meu rosto completamente encharcado.
– Xiii, não diga isso, por favor, Tess – ele pediu e meu coração parou de bater por um segundo, droga, droga, droga! Merda, Tess, ele vai se casar com outra, supere isso! – É simplesmente demais pra mim, eu não posso, depois de tudo o que eu passei, ouvir você dizer isso.
– Mas Liam...
– Não, olha só: depois de ficar pior do que eu já estava, eu ainda tinha que me apresentar com os caras, em uma dessas apresentações eu reencontrei Cheryl, ela era uma velha amiga da época do X-Factor, e ela me puxou da droga do buraco, conseguiu me devolver a luz que eu havia perdido há tempos, ela me deu um sopro de vida e me trouxe de volta à realidade. Ela fez muita coisa por mim, Tess, me ajudou a construir uma barreira sentimental que me impede de volta a ficar naquele estado deplorável e eu a amo, é por isso que vamos nos casar, porque ela quer ter uma família tanto quanto eu.
– Eu não estou pedindo que você a deixe, Liam. Não estou – rebati tirando minha mão da dele e me levantando, dando um jeito de sair da poltrona e indo para longe dele.

Fiquei encarando a janela, de costas para ele, com a mente em polvorosa, um turbilhão de pensamentos me assaltava, tantos que cheguei a ficar tonta. Quando de repente eu o senti em pé atrás de mim, o corpo quase colado ao meu, sua boca próxima à minha orelha. Meu corpo inteiro se arrepiou e se inclinou em direção ao dele involuntariamente, sua mão tocou minha cintura e ele apertou seus dedos em minha pele, quase me derreti em seus braços. Era isso do que eu sentia falta. Era dele, do toque dele, do que ele fazia com o meu corpo e com a minha mente.

– Quem bom que não está – ele sussurrou em meu ouvido, sua voz rouca e deliciosamente sexy –, porque se estivesse, eu juro que não saberia como recusar.

Virei-me de frente pra ele imediatamente, eu ouvi isso? Ouvi mesmo isso? Liam deixaria aquela mulher por mim? Mesmo depois de tudo o que eu o fiz passar? Que droga, eu o amo tanto, não sei como farei para me controlar e não pedir a ele que largue Cheryl. Mas bem que eu queria. Queria tanto, faria qualquer coisa pra tê-lo comigo novamente, qualquer coisa mesmo, até me casaria com ele se assim ele desejasse, eu seria dele até o fim dos meus dias, porque de qualquer forma eu já sou.

– Eu sou sua, Liam. Eu sempre fui – sussurrei a ele, seus lábios pairando sob os meus, sua respiração trôpega espelhando a minha.
– Ah, droga, Tess – ele resmungou um segundo antes de me tomar em seus braços e me beijar intensamente, despejando nesse toque todo o sentimento enraizado no fundo de seu ser.

Ele me ama, ele ainda me ama, mesmo depois de tudo. Eu posso sentir. Sua boca contra a minha beijando, mordendo, instigando e pedindo mais; suas mãos em minhas costas, apertando, acariciando, descendo até as minhas coxas, subindo até o meu pescoço e descendo novamente até as minhas nádegas, tudo em um apelo desesperado de me manter mais perto dele, de grudar nossos corpos o máximo possível, de demonstrarmos um ao outro que estamos aqui, estamos realmente aqui e estamos juntos. E ele é meu também, assim como sou dele.

– Scar – ele sussurrou como se fosse um gemido contra os meus lábios, abri os olhos para vê-lo e não me lembro de já ter visto algo mais bonito. Sua testa enrugada e os olhos bem fechados, como se temesse abri-los e perceber que estava apenas sonhando, seus lábios vermelhos e ligeiramente abertos, puxando ar para os pulmões, suas bochechas levemente coradas e então seus olhos castanhos se abriram e ele estava me encarando de volta com um brilho magnífico no olhar, era estonteante de se ver. – Eu amo você, nunca deixei de amar.
– Eu fico tão feliz em saber disso – murmuro em resposta, ele sorri.



0 comentários:

Qual a música? "No one in the world could stop me from not moving on, baby. Even if I want to..."

Por: Milinha Malik. Tecnologia do Blogger.

Cupcakes Visitantes ♫♫

♥Books♥

Translate

Talk to me!!

Twitter

♥Cupcakes♥


widget

Instagram

Instagram

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto

Hello pessoas,
Sei que muitos não lerão isso, não se importaram com isso, não vão querer ao menos ver isso.
Mas não tem problema, isso aqui é pra quem quer ler.
Sou apaixonada por livros, amo escrever e, acima de tudo, amo One Direction, pois foi graças a eles que eu descobri o meu amor pela escrita.
Não espero que gostem das minhas histórias, mas aos que gostam: Obrigada.
Quem quiser entrar em contato é só seguir no Twitter: @miamelo1d

Agenda!