sexta-feira, 23 de junho de 2017

"Vai que acontece como da última vez
Me entrego, te amo, cê foge, sobrei.
Quando eu tento ir devagar, daí cê vem pra cima
Basta uma mensagem e olha você virando a esquina..."
– Mais amor e menos drama (Henrique e Juliano)



— Eu estou louco pra te jogar no sofá da sua sala agora mesmo, mas toda vez que penso nisso eu me lembro que você estava com aquele babaca e isso é a porra de um banho de água fria — ele vociferou baixo, ainda me apertando com força contra seu corpo, ergui a cabeça e o encarei em alerta. Que droga, Zayn, não faça isso!
— Você está pensando demais, baby — sussurrei docemente, acariciei seu belo rosto e ele fixou os olhos magoados em mim, o que me assustou e me fez recuar, mas logo me recompus e continuei a acariciar sua barba por fazer. — Eu sei bem que você vive com outras mulheres quando não estou por perto e isso não me incomoda nem um pouco. Não pense tanto no que eu faço quando não estou com você.

Zayn soltou uma bufada de ar, ele relaxou o rosto em minha mão e fechou os olhos para sentir minha carícia. Aproveitando a deixa eu o beijei, deixei que minha língua deslizasse para junto da sua e que o desejo entre nós o fizesse esquecer de todo o resto, porque ele sabe tanto quanto eu que nenhum de nós dois é inocente nessa relação, se é que isso é uma relação.



O elevador apitou, avisando que chegamos ao quarto andar, e nós separamos nossos lábios com muito custo.

— De qualquer forma — ele murmurou ao sairmos do elevador e ele me colocar no chão —, apesar de você estar seminua e muito sexy, você está bêbada e eu não sou esse tipo de cara — ele completou e me abraçou de lado, para me dar apoio.
— E daí? Já transamos bêbados antes — resmunguei contrariada, sentindo-me como uma criança a quem negaram um pirulito, um pirulito bem grande por sinal.
— Mas nós dois estávamos bêbados, não somente você — ele disse e procurou a chave do meu apartamento em minha bolsa, que ele estava segurando junto com o meu vestido.
— Posso ao menos chupar seu pau? — perguntei docemente quando ele enfiou a chave na fechadura, ele riu e abriu a porta, me deixando entrar primeiro.
— Às vezes você me faz pensar que eu tenho um doce em forma de pinto — ele riu e fechou a porta ao entrar, me joguei em meu sofá e relaxei me esticando toda, ele parou ao meu lado e ficou me observando.
— Vem aqui comigo, baby — convidei me sentando e despindo o casaco dele, ele suspirou e sentou-se ao meu lado.
— Por que você faz isso? Cacete! — ele praguejou. — Não me olhe assim, com esses olhos tão lindos, porra Hayley, como quer que eu me controle perto de você? — ele vociferou e agarrou meus cabelos me puxando de encontro à sua boca e me beijando vorazmente.

Com uma mão eu segurei em seu ombro e com a outra, sutilmente, alcancei sua calça jeans e abri o botão e o zíper. Puxei seu membro maravilhoso para fora da cueca e ele, ofegante, me assistiu ansioso abaixar a cabeça e lamber a extensão grande de seu pau, ele gemeu e segurou meus cabelos.

— Hum, você é meu pirulito favorito — murmurei em apreciação e lambi a cabeça de seu pau.
— Quem me dera fosse o único — ele sussurrou em meio a um gemido e jogou a cabeça para trás, urrando de prazer. Ah rapaz, desse jeito você corta o meu barato!

Ignorando seu comentário eu enfiei seu membro em minha boca e tentei engoli-lo o máximo possível e o acariciei com a mão, Zayn segurava meus cabelos, forçando minha cabeça para baixo, me fazendo engolir mais ainda seu pau.


— Ah, porra Ley — ele gemeu roucamente, me deixando mais excitada.

Ele gozou em minha boca, mas em pouco tempo ele já estava duro feito rocha novamente, pronto para a segunda rodada. Zayn despiu as calças, cueca e blusa e voltou para o sofá.

— Venha aqui, baby — ele sussurrou me puxando para deitar no sofá.

Zayn cobriu seu corpo com o meu, lentamente deslizou seu membro para dentro de mim, remexendo o quadril e enfiando um pouco mais fundo a cada estocada. Gemi e o abracei forte, colando seu corpo ao meu a medida que as estocadas fortes e fundas ficavam mais rápidas, tocando no ponto delicioso dentro de mim que me fazia arfar.



Meu Deus, como ele é gostoso. Ele sabe o que faz e, puta que pariu, me enlouquece.
Quando aquela sensação familiar e deliciosa me veio à tona, Zayn já urrava em meu ouvido, chamando meu nome e xingando por eu enlouquecê-lo. O apertei mais forte e me contorci embaixo dele, me permitindo chegar ao ápice do prazer com aquele homem maravilhoso em cima de mim, em volta de mim, me possuindo completamente.
E nós dois adormecemos no meu sofá, agarrados um ao outro como duas trepadeiras. Confesso que eu mesma não sabia quais pernas eram as minhas e quais eram as deles, mas foi uma sensação gostosa tê-lo me aquecendo a noite inteira.


♂♀♂♀

O sol inundou toda a sala e Zayn ainda estava estava aconchegado com a cabeça entre os meus seios, me abraçando possessivamente. Olhei em volta sonolenta e tentei me lembrar dos acontecimentos de ontem.
Louis. Foda maravilhosa com o Louis. Cobrança do Louis. Bebida. Bebida. Bebida. Bebida. Cobrança do Zayn. Foda maravilhosa com o Zayn.
Ao menos com o Zayn eu posso fazê-lo esquecer todas essas ideias de relacionamento com uma trepada sacana, já o Louis me atormenta com essas ideias sempre depois, quando já está saciado e eu: desarmada de desculpas.
Alcancei o celular de Zayn no chão e chequei às horas. 06:45. Preciso me arrumar para o trabalho.
Lentamente me desenrosquei de Zayn e o deixei dormindo no sofá, estendi a manta que estava no braço da poltrona em cima dele e fechei as cortinas da sala para que ele não acordasse logo. Em seguida fui para o meu quarto tomar um banho e vestir uma roupa.
Depois de arrumada eu voltei à cozinha, que é divida da sala pelo balcão de café da manhã. Meu apartamento é pequeno, sala/cozinha, um quarto e uma minúscula lavanderia embutida em um armário no corredor ao lado do banheiro; mas é grande o suficiente para mim. 
Preparei um café preto e comi uma banana enquanto esperava. Zayn ainda dormia profundamente em meu sofá, chegava a ressonar baixinho.
Tomei meu café quietinha sentada em um banco do balcão enquanto analisava as notícias pelo meu celular, quando acabei troquei meus documentos de bolsa e peguei as chaves da casa, escrevi um bilhete rápido para Zayn, saí de casa e peguei o metro até chegar à empresa onde trabalho de recepcionista.
Ashley, a outra recepcionista com quem trabalho, já estava atrás do balcão de informações logo na entrada da empresa, sorri para ela e fui bater o meu cartão.



A casa estava silenciosa quando acordei, as cortinas estavam fechadas e Hayley não estava comigo. Eu já devia ter me acostumado com isso.
Em cima da mesinha de centro havia um bilhete escrito com sua bela e elegante caligrafia.
Ao menos ela me deixara beijos, abraços e um coração. Menina de poucas palavras e muitas ações, esse bilhete descreve bastante a Hayley.
Levantei-me do sofá e segui até o banheiro, lavei o rosto e urinei, em seguida voltei à sala e me vesti. Na cozinha, ainda havia café na cafeteira elétrica, então eu o esquentei e tomei uma caneca cheia. Dobrei a manta do sofá e arrumei a sala, recolhi minhas coisas e deixei a casa de Hayley, trancando a porta com a chave reserva que ela escondia enterrada na areia do vaso de uma planta ao lado da porta dela.
Peguei meu carro no estacionamento e fui pra casa.
Ao contrário de ir dormir mais um pouco, ou deitar no sofá e assistir ao noticiário da manhã, eu tomei um banho, me vesti e fui trabalhar. O guitarrista da banda que toca alguns dias da semana no bar passará lá às dez para acertamos as contas do mês. Sem falar que preciso calcular os ganhos e gastos de ontem à noite.
Ao chegar no bar eu liguei a tv no jornal matinal enquanto pegava a caderneta de anotações e começava a calcular o prejuízo da noite anterior. Vinte copos de cerveja quebrados, um banco danificado, dois tacos de sinuca partidos ao meio; esses caras são uns animais, não fariam nada disso se eu estivesse aqui, mas como Jack não tem moral o suficiente, eles aproveitam para destruir o meu negócio.
Às dez em ponto Niall, o guitarrista da banda, entrou no bar. Ele sentou-se no banco de madeira à minha frente e cruzou os braços, esperando pacientemente eu terminar os últimos cálculos do pagamento dele e dos outros três integrantes da banda.

— O que é isso? — ele perguntou quando lhe entreguei um papel.
— A lista de músicas para sexta-feira — respondi.
— Você lembra que nós somos uma banda indie, não é? — perguntou Niall, fazendo uma careta para a lista de músicas.
— Lembro sim. Mas vocês vão tocar o que o público quiser, o que fizer o bar vender, o que fará vocês receberem, entendeu? Não ligo pro gênero musical de vocês, desde que isso me faça lucrar! — falei sério, ele assentiu meio contrariado, mas ciente de que essa é a verdade.
— Beleza, tocaremos isso. Mas precisamos de uma vocalista, a Priya só vai ficar mais uma semana conosco — ele avisou.
— Vou colocar alguns panfletos aqui no bar, faremos testes daqui a duas semanas, quando ela realmente sair — murmurei concentrado em minhas anotações, ele assentiu.
— Beleza, me manda uma mensagem com o dia e o horário depois, até mais.

Niall despediu-se e foi embora, me deixando sozinho com o meu trabalho.
Às onze e meia, quando eu havia acabado, mandei uma mensagem para Hayley, perguntando-a se queria almoçar, ela respondeu quase automaticamente: "Sim, mas já marquei com um amigo. Junta-se a nós?", eu sabia que iria me foder se fosse com ela e o tal 'amigo', mas era melhor me manter por perto do que deixar os dois irem sozinhos, então concordei e marquei de pegá-la no trabalho ao meio dia.
Estacionei em frente à empresa onde ela trabalha e esperei alguns minutos até ela aparecer toda linda vindo em direção ao meu carro, ela estava maravilhosa com uma saia de couro e uma blusa branca bem decotada, ela tinha o blazer e uma bolsa em mãos e um sorriso gigantesco nos lábios. Ela sentou-se no banco do passageiro, me deu um beijo na bochecha e colocou o cinto de segurança.

— Então, aonde vamos encontrar o seu amigo? — perguntei ligando e passando a marcha do carro.
— No Bella Itália, na 65 Strand — ela respondeu sorridente.
— E quem é esse seu amigo? — perguntei despreocupado, ela riu.
— Harry, advogado da empresa, nos conhecemos há 3 ou 4 meses e fodemos de vez em quando, se é o que quer saber — ela falou divertida, revirei os olhos e buzinei para o babaca à minha frente.
— Você é tão sincera — resmunguei irônico, ela gargalhou auto e pousou a mão em minha coxa, subindo lentamente de encontro ao meu pau, ela é uma distração e tanto!
— Você pensa demais, baby, já lhe falei isso — ela murmurou e se inclinando para me dar um beijo casto no pescoço, droga, concentre-se Zayn!

Estacionei o carro em frente ao restaurante favorito de Hayley e nós saímos do mesmo, seguindo até a porta do restaurante italiano. Uma jovem maître nos recebeu logo na entrada, Hayley disse o nome do amigo dela e a moça nos levou até a mesa em que um homem de terno e cabelos grandes estava acomodado tomando um copo de água enquanto esperava, ele sorriu e se levantou para receber Ley com dois beijos no rosto e um abraço apertado.
Então ele me viu, ergueu as sobrancelhas claramente surpreso e estendeu a mão, que eu apertei com o máximo de gentileza que consegui reunir, afinal não é culpa dele se Hayley vive com outros caras.

— Harry, este é o meu amigo, Zayn. Espero que não se importe, o convidei para almoçar conosco — disse Ley tranquilamente, ela sorriu e sentou-se, a maître me trouxe uma cadeira e eu me sentei ao lado dela, com Harry olhando de Hayley para mim, curioso.
— Amigo? Sei — ele murmurou por fim e eu me identifiquei com ele. Sim, cara, estamos no mesmo barco.
— Com licença, eu deixarei o cardápio com vocês e a carta de vinhos, qualquer dúvida basta me chamarem — disse a maître, entregando a cada um de nós um cardápio, agradecemos e ela se retirou.
— Vamos pedir uma garrafa de vinho? — perguntou Harry, Ley balançou a cabeça em negativa.
— Eu só vou beber uma taça, tenho que voltar ao trabalho, mas vocês podem pedir a garrafa se quiserem — ela disse enquanto analisava o cardápio.
— Eu também tenho que voltar ao trabalho, vou ficar só com uma taça também — murmurei em concordância, Harry assentiu.
— Beleza, serão três taças de Pinot Grigio, então — disse Harry, abandonando a carta de vinhos e olhando o cardápio.

Depois de analisarmos bem os cardápios, decidimos todos por apenas o prato principal; eu pedi Agnello Tagliatelle, Harry pediu Gamberi, e Ley se decidiu por Polpette. E para sobremesa, Harry pediu Cioccolato Diavola, Ley pediu Pannacotta, sua sobremesa preferida, e eu pedi Vanilla Cheesecake.
Enquanto esperávamos a comida, um silêncio desconfortável, por parte de Harry e eu, se instalou na mesa, Hayley ficou muito irritada e eu vi a hora ela se levantar e ir embora. Harry também notou a irritação dela, pois começou a falar de qualquer assunto banal e eu tratei de interagir com ele, antes que Hayley enfiasse garfos em nossas mãos. Pelo o que eu conheço dela, ela faria isso com certeza.
Quando a comida chegou, todos relaxaram. Eu bebi um gole da minha taça de vinho e comi tranquilo, conversando de vez em quando com Ley e Harry, ele é um cara legal, afinal. Hayley tem bom gosto para caras, eu devo admitir, ela conhece os caras mais legais, inclusive eu; mas é meu dever achá-los babacas, porque eu quero que ela fique comigo, não com eles.
Ao final do almoço, Harry e eu logo pegamos a conta para pagar, mas Hayley bateu o pé e decidiu pagar também, e quando ela bate o pé é impossível fazê-la mudar de ideia, então Harry e eu nos conformamos com a teimosia dela e rachamos a conta.



Zayn voltou para casa, a fim de descansar para cuidar do bar à noite, e Harry me deu uma carona de volta para a empresa. Ele parou a moto na vaga em frente à empresa e me ajudou a descer da mesma. Era uma bela moto Yamaha, uma Fazer YS250 branca.
Parei na calçada e ele se apoiou na moto de braços cruzados, enquanto me olhava silencioso.

— Obrigada, pelo almoço e pela carona — falei docemente, Harry sorriu.
— Não foi nada. Nos vemos hoje à noite? Posso vir buscá-la no fim do expediente? — ele perguntou, senti um calafrio, mas sorri.
— Sim, acho que sim. Nos vemos mais tarde — aproximei-me para dar-lhe um beijo na bochecha, mas ele virou o rosto e me deu um selinho demorado.
— Até mais, querida.

Balancei a cabeça em reprimenda, mas não contive um sorriso. Deixei Harry e voltei para a empresa, Ashley estava esperando que eu chegasse para que ela fosse almoçar, assim que voltei para trás do balcão ela despediu-se e sumiu pelas portas duplas de vidro. Sentei-me em minha cadeira acolchoada que gira e liguei o meu computador. Depois de checar a lista de visitantes e anunciar a entrada de mais dois empresários no prédio, eu relaxei e aguardei, pois a tarde é sempre mais tranquila na empresa.
Quando fiz uma pausa e fui à cafeteria do outro lado da rua comprar café para Ashley, meu chefe, a secretária dele e para mim, meu celular tocou, anunciando uma ligação de Louis. Atendi e aguardei na fila para pegar os cafés.

— Boa tarde, senhor — brinquei, ouvi ele rir.
— Boa tarde, querida — ele disse docemente. — Há alguma chance de você jantar comigo hoje? Precisamos conversar.
— Ah, sinto muito — não sinto mesmo, agradeci mentalmente por já ter aceitado o convite de Harry. — Eu já tenho um compromisso para hoje.
— Ah, ótimo — ele resmungou irônico. — Alguma hora nessa semana você pode me encaixar na sua ocupada agenda?
— Eu vou consultá-la e depois te aviso, senhor — brinquei, ele riu e eu relaxei.
— Desculpe, estou te pressionando muito, não é? — ele suspirou.
— Sim, podemos dizer que 'muito' é até pouco para descrever.
— Eu sinto muito, mas você sabe como eu sou...
— Ciumento, possessivo, obcecado por compromisso — sussurrei baixinho, ele gargalhou alto e eu peguei a bandeja com quatro copos de café. 
— Por conta da casa, baby — disse Grant, o atendente gato que sempre me paga café e que por acaso também é o meu vizinho.
— Obrigada — falei ao atendente, ele abriu um sorriso brilhante e piscou para mim.
— Vai me dar seu número hoje? — ele perguntou quando eu já me virava para ir embora, Louis ficou quieto do outro lado da linha, provavelmente ouvindo a conversa.
— Talvez amanhã, mas continue tentando — brinquei e mandei-lhe um beijo no ar.
— Quem pediu seu número? Ou melhor, quem te pagou alguma coisa? — perguntou Louis quando eu já estava fora da cafeteria.
— Ai, Louis. Menos, por favor — resmunguei impaciente, ele ficou mudo por alguns segundos. — Eu vou voltar ao trabalho, nos falamos depois.
— Desculpe, Ley. Nos falamos depois, se cuide — ele falou pesaroso, minha irritação diminuiu um pouco e eu lhe mandei um beijo antes de desligar e entrar na empresa.

Peguei o meu copo de café preto com leite e entreguei os outros três para Ashley ir servir ao chefe e a secretária dele.


♂♀♂♀

Bati meu cartão e deixei a empresa, finalmente a segunda-feira chegou ao fim; na verdade está apenas começando, já que Harry vem me buscar. Ao chegar à rua, vi Harry parado junto a calçada encostado em sua moto, o amor de sua vida. Esse é um dos motivos pelo qual julguei ser bom sair com o Harry, a única coisa que ele ama além de si mesmo é a moto dele, então eu não precisaria me preocupar com o resto.
Na verdade, em todo início de relação com todos os caras que conheço eu pensava que seria fácil, um caso para curtir e não ter dor de cabeça, mas, não sei porque, no final eu sempre saía irritada e com um cara magoado me enchendo o saco.
Harry sorriu e me entregou um capacete, o vesti e ele estendeu a mão para me ajudar a subir atrás dele na moto, apertei ele entre minhas coxas e o abracei forte, ele ligou a moto e disparou como uma rajada de vento pela rua.
Como o meu apartamento não ficava muito longe, Harry começou a diminuir a velocidade da moto, ele parava mais do que devia em todos os sinais de trânsito e repousava a mão tranquilamente em meu joelho enquanto esperávamos os sinais abrir, ele deu algumas voltas pela cidade até se render e seguir para o meu apartamento. Faltando duas quadras nós paramos em mais um sinal vermelho, ele repousou a mão em meu joelho e apertou levemente, o sinal abriu e ele passou a marcha da moto, nem nos movemos direito e eu ouvi a buzina alta e insistente de um carro na contra-mão vindo em nossa direção, Harry tentou desviar a moto mas era tarde, eu o abracei com mais força, já sabendo o que iria acontecer a seguir.



0 comentários:

Qual a música? "No one in the world could stop me from not moving on, baby. Even if I want to..."

Por: Milinha Malik. Tecnologia do Blogger.

Cupcakes Visitantes ♫♫

♥Books♥

Translate

Talk to me!!

Twitter

♥Cupcakes♥


widget

Instagram

Instagram

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto

Hello pessoas,
Sei que muitos não lerão isso, não se importaram com isso, não vão querer ao menos ver isso.
Mas não tem problema, isso aqui é pra quem quer ler.
Sou apaixonada por livros, amo escrever e, acima de tudo, amo One Direction, pois foi graças a eles que eu descobri o meu amor pela escrita.
Não espero que gostem das minhas histórias, mas aos que gostam: Obrigada.
Quem quiser entrar em contato é só seguir no Twitter: @miamelo1d

Agenda!